.d-md-nenhum .d-lg-block bibimot

O primeiro submarino do mundo

O primeiro submarino do mundo
A ideia de conquistar as profundezas subaquáticas assombra a humanidade desde os tempos antigos. A primeira menção de tal experiência, baseada em grande parte em desenhos encontrados na época, remonta a 332 aC.


Foi iniciado por Alexandre, o Grande, que ordenou que as pessoas fossem mergulhadas na água em um recipiente de vidro completamente fechado. A história silencia sobre como esse ousado experimento terminou - não se sabe se os artistas sobreviveram e se foram capazes de descrever o que viram.

Первая в мире подводная лодкаIlustração sobre o tema da imersão de pessoas na água sob a liderança de Alexandre, o Grande. Foto: Wikipédia

No entanto, de acordo com a mensagem escrita do famoso filósofo Roger Bacon, que viveu no século VIII, Alexandre, o Grande, utilizou com sucesso instrumentos para explorar os segredos dos mares sem qualquer risco para o corpo humano, até ao fundo. Ele, entretanto, entre outras coisas, previu o aparecimento de batiscafos no futuro e acabou acertando.

Inventor holandês


O progenitor da moderna frota de submarinos é considerado o dispositivo criado pelo engenheiro-inventor holandês Cornelius Jacobson Drebbel. Ele nasceu na Holanda, provavelmente em 1572, e no início de 1600 já havia se tornado bastante famoso, tanto em sua terra natal quanto no exterior. Naquela época, suas invenções incluíam vários motores e mecanismos de relógio “perpétuos”, um microscópio, um forno autorregulável e muito mais.

Naturalmente, ele atraiu a atenção do rei Jaime I Stuart, que ficou muito impressionado com o relógio "perpétuo" de Drebbel, e o convidou para a corte. E agora, já trabalhando para a Marinha Britânica, Cornelius começa a trabalhar em um veículo subaquático. É preciso dizer que ele utilizou os desenhos e desenvolvimentos do inglês William Bourne, que expressou a ideia de criar um navio submarino em 1578, mas seu projeto se limitou apenas à teoria - infelizmente, ele nunca foi capaz de criar um protótipo.

A primeira embarcação subaquática do mundo


Mas Cornelius Drebbel conseguiu, e foi ele quem, em 1620, apresentou ao público o primeiro submarino totalmente funcional do mundo, que poderia permanecer submerso por várias horas.

Vale ressaltar que, segundo informações disponíveis na época, ele não se limitou a um exemplar, mas ao longo de vários anos construiu até três submarinos. Além disso, cada um subsequente era maior e mais espaçoso que o anterior, e o terceiro, equipado com seis pares de remos, podia transportar até 16 passageiros.

Nenhuma ilustração confiável ou descrição precisa do submarino de Drebbel sobreviveu. No entanto, permanecem evidências de que pelo menos um dos protótipos construídos, que era um barco a remo de convés bastante modificado, era visto regularmente no rio Tâmisa durante os testes. Era controlado por remadores, cada um empunhando um remo, que se projetava da lateral do barco através de lacres de couro à prova d’água.

Uma réplica moderna do submarino de Drebbel em Londres. Foto: lindahall.org

Além disso, todo o submarino era revestido de couro oleado, com escotilha impermeável no meio e volante. Sob os assentos dos remadores havia grandes bexigas de animais (presumivelmente porcos), ligadas por tubos ao ambiente externo, ou seja, à água.

Imediatamente antes do mergulho, os nós bem amarrados dessas bolsas foram desamarrados e preenchidos com água. O peso do barco aumentou e ele afundou gradualmente na água. Quando surgiu a necessidade de subir à superfície, a tripulação, com movimentos simples, expeliu a água das bolhas e o barco flutuou até à superfície.

Enigma principal


O mais misterioso continua sendo o fato do fornecimento de oxigênio dentro da embarcação subaquática. Existem várias suposições sobre este assunto, que não são mutuamente exclusivas. Segundo um deles, o ar era fornecido a bordo por meio de longos tubos que eram mantidos acima da superfície da água por meio de dispositivos flutuantes. Isso permitiu que a tripulação do barco permanecesse submersa por muito tempo.

Segundo relatos, o barco poderia viajar de Westminster a Greenwich e voltar debaixo d'água em um total de cerca de três horas. Ao mesmo tempo, moveu-se a uma profundidade de cerca de 15 pés abaixo da superfície, ou seja, aproximadamente 4,6 metros.

Ao mesmo tempo, existe outra suposição segundo a qual o ar foi produzido diretamente no navio. Embora isto pareça um pouco plausível, especialmente considerando o período de tempo desta invenção, o “grão” dessa lógica ainda é bastante visível. Drebbel tinha, de facto, um vasto conhecimento no campo da química e, como afirmado, tinha alguns meios e uma série de ideias inovadoras para implementar tal tarefa.

Pelo menos muita informação sobre este inventor foi preservada nos arquivos da Universidade Holandesa de Twente. E aí, juntamente com relatos de algumas das invenções mais icónicas de Drebbel, em particular o primeiro termóstato do mundo e um microscópio com duas lentes, há uma menção ao seu desenvolvimento da tecnologia para a produção de oxigénio a partir de nitrato de potássio aquecido (salitre).

Uma réplica em tamanho real do primeiro submarino de combate, o Turtle, em um museu dos EUA. Foto: Wikipédia

Quanto ao destino futuro do submarino de “couro”, de alguma forma não deu certo, mesmo apesar da crescente atenção do próprio rei Jaime I. Ele até participou pessoalmente dos testes do novo produto. Há informações de que em 1626 ele esteve presente a bordo do terceiro exemplar, durante sua viagem sob o Tâmisa. Mas mesmo o favor do chefe do reino não contribuiu, o que não surpreende, para o interesse da frota britânica nesta invenção.

Durante 15 anos, o submarino de Drebbel nunca saiu da fase de testes. Ironicamente, trezentos anos depois, o submarino tornou-se o mais formidável de todos os navios de guerra. Mas isso não trouxe a devida fama nem riqueza ao seu primeiro criador.

E em outros países?


Houve outras tentativas de conquistar o “reino” subaquático no século XVII, embora na maioria das vezes já estivessem acompanhadas pelo desejo de ultrapassar militarmente o inimigo. Assim, durante a Primeira Guerra Anglo-Holandesa de 17, Louis de Son construiu seu submarino. Tinha 1654 metros de comprimento e, de acordo com o plano, deveria afundá-lo ao se aproximar de um navio inimigo, mas seus testes falharam.

Muito mais tarde, em 1776, houve outra tentativa, mais famosa. O americano David Bushnell construiu um navio de combate submarino totalmente funcional, chamado Turtle. O dispositivo era monoposto e o timoneiro tinha que operar sozinho a estrutura bastante complexa. Entre os vários mecanismos, incluía um medidor de profundidade, uma bússola, um ventilador para fornecimento de ar forçado, etc.

A “Tartaruga” até supostamente participou diretamente na implementação de missões de combate reais durante a guerra dos EUA pela sua independência. Mas também aqui surgiram algumas questões relativamente à sua eficácia.

Nosso país também não ficou para trás. Na Rússia, o primeiro submarino apareceu sob o comando de Pedro I. O carpinteiro russo Efim Nikonov montou o primeiro protótipo em 1721, que passou com sucesso em todos os testes. Então, por ordem do imperador, eles começaram a montar uma embarcação subaquática funcional em tamanho real, que foi chamada de “Vaso Oculto”.

Maquete do “Vaso Oculto” na cidade de Sestroretsk. Foto: Wikipédia

O corpo do aparelho, que lembra um barril, era feito de madeira e equipado com lança-chamas. Foi projetado para quatro remadores e tinha até câmara de descompressão.

No entanto, este projeto também não teve sucesso. Em 1724, durante os testes do barco acabado, ele afundou, ficando com um buraco na lateral. Os tripulantes, como o próprio Nikonov, que participou pessoalmente do evento, conseguiram escapar.

Autor:

Fotos usadas: www.youtube.com, lindahall.org, wikipedia

Você acha que é possível desenvolver uma frota de submarinos civis hoje em dia?

Vote!

Estamos em Estamos em Yandex Zen
A primeira série de submarinos pessoais do mundoU-Boat NEXUS - submarino elétrico de próxima geração

Abaixo a gasolina - dirigimos devido à inércia

Abaixo a gasolina - dirigimos devido à inércia

Muitas pessoas se lembram de como um volante inercial move um carro desde a infância, quando as rodas giratórias de um brinquedo o faziam mover-se de forma independente por muito tempo....
  • 1 653